O olho aceso.

Imagina poner su primer cigarrillo rodado a sus labios ( electric cigarette rolling machine) con ese sentido del orgullo! ¡Sí! ¡Vaya los consiga.

Geladeira

The refrigerator in the house wasn’t for placing food alone. Very early, maybe when hunger strikes since you forget the long time spent without eating anything, after all, all the time was meant for him. It’s kind of normal. At least for my case, I wouldn’t exactly be compared to normal.

To be truthful about this, I’ve always found it difficult searching for my synonyms out there and this is sometimes just as awesome. Some synonyms are missing here and there and a lot of singularities, and let me tell you, it’s got annoyances.

However, all this daydream revolves around the refrigerator at home, not the synonyms – and if I’d ask, have you heard of a synonym for a refrigerator? Too bad, I just sort her in search of an idea. I open and shut the door, but there’s nothing. The day before yesterday, I spotted my sister open the door in search of a melody for her music, at the same time holding herself between the yogurts as she tapped her foot rhythmically, placing her hand on her chin. Refrigerators are incredible song preservatives.

Watch out. Her awesome aunt may have opened the door, hummed, and went away.

I utter this because people show up distracted, open the refrigerator door, take a few actions related to what they’re searching for, and go away, determined to understand whatever without taking the food. Never. Or maybe we shouldn’t forget the early hours.

They pick up something no one can see frozen between the icy pots and bowls. A couple of times they get out full of frustration, but I understand. If you got no losses in the fridge, then where are you?

Yesterday, now speaking about myself, I opened the door around noon, in search of stubbornness, and as usual, she was cold. These things never get hot in the oven, everyone is aware.

Why? Because between the opening and closing of doors, I’m understanding to release the cold and let go.

Clarice Freire.

This short article was written by one of the members of swimming pool resurfacing in Dallas, TX.

A nice drawing of a freezerless refrigerator

Antiquada

Em uma cidade antiga, muito antiga, de quatro ou cinco casas antigas, muito antigas, ela resolveu fugir da cama.

Esperou anoitecer, até as paredes dormirem, para sair. Correu como quem ama.

Se soubesse para onde ia, não seria ela.

Simplesmente foi, porque a vontade de sentir o vento frio no rosto

a consumia feito vela.

O chão de pedra gelada nos pés sem sapatos. Nos olhos, o escuro.

Tinha alguma coisa naquela noite que a chamava pela janela e ela foi. Por cima do muro.

Se não tivesse ido, não seria ela.

Se não tivesse ido, seria morta.

Foi correndo pelo escuro sem saber aonde davam a viela

e a estrada torta.

Tão escuro era, que esquecia como era a luz.

Corria, corria, corria e, de repente,

esqueceu o que era o dia.

Percebeu aos poucos que a viela era tomada por vaga-lumes. Dezenas, centenas deles.

Não eram capazes de alumiar a noite em dia com seu brilho raro.

Mas a fizeram lembrar

como era o claro.

E saber por que, afinal, fugiu da cama.

É que a cidade não entendia, a agonia de quem ama.

E da noite faz cantiga.

É que dizem que o amor é coisa antiga.

Clarice Freire.

Antiquada.

 

Look at Rua de Semper Again

Another Look At Rua de Semper

Rather than focusing on form today, I’m just going to write a bit of simple text. This is just an observation that I found particularly interesting.

I’m staying in Buenos Aires for a few months to get a better idea of creativity. The relevance of the information is just to provide a little context. You get a more calm experience when you’re able to spend a couple of months around the lively people and city. There’s one notion of calm that I really want to express to you.

Pri, who is my partner in creativity, took a trip to the Botanical Gardens for a walk. Both of us decided to bring along one object to express ourselves. I brought along a notebook and Pri brought a drawing folder. While stopping in the park, I wanted to use the chance to get a little writing done. In Recife, I always feel like doing this, but work always takes up all the time I have.

After taking some time in the park to walk around while taking in the beautiful scenery and enjoying ourselves, we came across a large bench and decided to take a rest. Pri and I, who aren’t tiny people, were able to fill the bench comfortably. After only a short time, Pri was already deep in her drawings. As I laid on the bench, I couldn’t think of anything to write, despite being in the perfect position to give off the vibe of someone in a park busy writing away. That doesn’t seem to be my natural way, as my writings usually happen unceremoniously just before bedtime.

All I could do was lay there, meanwhile Pri was drawing with a full state of immersion. I was stuck in a state of confusion and all I could do was go to my saved notebook. I’ve given him thousands of words and many hours of my time. You often feel empty and have many thoughts when you live far way. Your mind and time are lacking in normal fillers when you have emptiness. I couldn’t just let the emptiness take over, and I did my best to fill my empty bag.

I worked as hard as I could to write something in my notebook, but with only a limited amount of success. Just a few lines here and there made it in at the time. When I was near the point of quitting, I took a look aside and noticed something interesting. There was a middle aged coupled sitting on one of the large benches by themselves. Pri and I had been sitting in the park to look at its beauty, but this particular bench was not facing it. Instead, this bench faced a railing near an avenue with a lot of activity.

With only their eyes situated on the street, the couple slightly hugged and simply sit on the bench without making a sound. I thought they would have said something after a while, but they didn’t. All they did was just sit beside each other while looking at the street, and they didn’t seem to mind it. My notebook was desperately begging me to write something in it, but I neglected it in favor of the couple.

The whole scene of the couple looked strange, but it filled me with curiosity and I liked it. It was like seeing people sitting in front of the warm glow of a television in a room. Their entire focus and the way they were just sitting without a sound, while focusing on nothing but the street was fascinating. For the longest time I had on headphones. I couldn’t stand hearing the bus over the natural garden sounds. The couple were on the bench for what seemed like a span of hours, just looking at “Everyday Life”, their favorite movie on the big screen.

Both members of the old couple were rich with white hair, and had a clear grasp of what happens everyday. Why exactly did they take some time to observe what happens normally each day? As members of society, we usually stay trapped in our regular loud and fast lives, only stopping to take a look at nature, television shows, or anything that will whisk us into another world. Stopping to simply look at what happens normally on a regular day and admire it for hours isn’t exactly common.

I figured that the street itself may not have been of any importance to them, just as the work done from swimming pool resurfacing might not be a main focus for a pool owner months after it has already been done. The main thing of importance to them was sitting beside each other on that bench. I began to think again that this wasn’t common at all. This couple would have been able to side beside each other at any time over the years, but this time they were doing it like it was the first time being in a silent area.

The man suddenly mentions something to his female companion, and she responds without the street leaving her field of vision, as if she was locked on an important movie moment. They both laugh and talk a little bit more, and then look back at the street again. This made me laugh as well. The whole admiration and appreciation of the common setting and people in it made me think of some kind of three way relationship between the street, the couple, and their bench. Every member of the relationship was in complete harmony, and I was in full admiration of how well they worked together in the cycle of every day life. Life exists, they love every minute of it, while keeping it all to themselves without anyone else knowing.
Clarice.

De Passagem.

O que passa por mim não somente passa. Foi uma lei que criei no meu estado de direito. Como pode, meu Deus, um vento, brisa, alguém, coisa, divisa, passar por mim e não me avisa e ainda assim terminar como veio: igual? Não pode. Não pela minha lei. Não, eu não entendo nada de leis, confesso. Mas confesso que as crio mesmo assim, na rebeldia e na ignorância. Simplesmente porque são minhas e as minhas leis quem dita, respeita ou negligencia sou eu. Eu quebro minhas leis o tempo todo. Você não quebre, por favor. É uma das leis pra me amar. Eu sei que não é fácil, mas todas as leis têm suas belezas e feiúras. Por exemplo, esta sobre a qual falo a vocês.

O que passa por mim não somente passa. É proibido. Essa lei já foi fruto de uma ideia, foi promovida a um Sonho e desde lá se impregnou em mim feito perfume que entra na pele. Fiz um acordo de escambo com tudo e todos que passam por mim nesse espirro de vida: passou, levou um pedaço de mim, mas eu levo também. Ah, levo. E isso é inegociável. É quase um roubo mútuo, contudo, voluntário e com tudo.

Termina que hoje sou uma aparente normalidade tranquila, mas na verdade me tornei um grande depósito de passagens furtivas, demoradas, permanentes, de gentes, de estradas, de trens, gostos, casas e interior.

Como não transbordo?

Eu transbordo o tempo inteiro.

Mas distribuo riquezas que ganhei por aí,

Muito de bom, pouco de ruim,

Não precisa de dinheiro.

É só passar por mim.

Clarice.

Este texto foi resultado de ouvir seguidas vezes a nova música de Sofia Freire, minha irmã e do meu pai, Wilson Freire.
Poesia de família dá nessas coisas.

Tremeluzente.

Uma chama andava tão trêmula que não lembrava nem mesmo como se chamava. A chama não chamava mais ninguém também. Também pudera, ninguém gosta de chamas trêmulas. “Mas as chamas são trêmulas”, você vai me dizer. Acho que não, acho que as chamas são tremeluzentes. Tremem, mas suas luzes as deixam luzentes: muito mais que trêmulas apenas.

As chamas também têm uma chama para arder sem se consumir. Não me pergunte como, isso é um tipo de dom das chamas e quem não é chamado não pode entender. As chamas deixam os outros chamados, se é que você me entende. E quando elas ficam trêmulas, se consomem muito rápido, é um perigo. Assim elas podem desaparecer num estalo.

Pois essa chama andava tão trêmula que não tinha mais uma chama pra ninguém ser chamado e, na memória, era difícil achar o que foi tremeluzente um dia. Estava ficando escuro e frio demais e a memória precisa de Sol para combater as traças. Sem saber mais pra onde ir, a chama trêmula esperou o golpe fatal de uma rajada de vento mais forte que passeasse com mais ânimo por alguma esquina e a acertasse em cheio.

Passava por ali um viajante muito simples. Tinha algo que chamava no seu jeito estranho: pés de vento, coração incandescente e os olhos tinham cara de abraço quente. Ele carregava uma caixa na mão, cheia de sussurros que colhera pelo caminho. Eram difíceis de achar, esses sussurros.  Mas ele sabia como colhê-los e ensinava pelos lugares frios. Não me pergunte como, isso é um tipo de dom dos viajantes e quem não viaja não pode entender.  Seus olhos abraçaram a chama à primeira vista e, desde então, analisou com generosidade seu problema. Rapidamente ele sentiu a falta do luzente no trêmulo da chama.

Abriu sua caixa de sussurros derretendo o fecho com um pedacinho do seu coração incandescente. Escolheu os sussurros com cuidado. Seus olhos abraçavam um a um, soltando-os na chama, que tremia a cada um. Hora se apagava, hora se acendia, hora fria, hora quente. De um jeito sussurradamente eloqüente, a chama tremeu pela última vez.

E acendeu

Outra vez,

Tremeluzente.

Clarice Freire.

Porque encontramos um desses viajantes por esses dias. Esse post é um agradecimento a todas essas criaturas corajosas que saem por aí reacendendo chamas, com suas caixas de sussurros. Acho que todo mundo sabe quem são os seus.

E às chamas, pela valentia de teimarem em tremeluzir.

Este Texto Deve ser Lido sem Anestesia.

Nesses últimos tempos aconteceram uns contratempos que eu não tenho tempo pra contar, mas o fato é que eu praticamente quebrei um dente, mordendo com força demais. Pois é. Acontece nas melhores famílias de Londres. Eu não posso mesmo ir fish hunting com minha bow porque dói tanto. Por isso eu tive que levar umas dez anestesias pra poder aguentar as horinhas em que a dentista restaurava o estrago que fiz.

Vale dizer que eu também tenho pavor a agulhas. Pavor que eu digo é pavor mesmo: já desmaiei pra tirar sangue. Só de olhar pra agulhinha em minha direção, quase bati num enfermeiro que veio pra cima de mim, dizendo docemente pra ele “O QUE VOCÊ VAI FAZER COMIGO?” Como se estivesse em algum cativeiro e o sequestrador tivesse chegado com uma serra elétrica na mão.Acho que deu pra entender minha simpatia por agulhas.

Mas quando é com anestesia a conversa mudou. Percebi que adoro anestesia. É uma daquelas maravilhosas invenções do homem como o elevadore o ar-condicionado: eles poupam você da dor e do desconforto. Ela precisa da agulha, mas pensando que depois vai me livrar do sofrimento terrível de seja láo que for, disse pra dentista “não tem geral não?” e me impressionei comigo mesma, que mesmo com o coração acelerado quando via agulhinha se aproximando, ficava aliviada: não ia sentir nada depois.

Com isso acabei pensando sobre o mundo, que a meu humilde olhar, gosta muito mais de anestesia do que eu. As pessoas andam se anestesiando a todo custo, buscando justo esse “não sentir” tão cômodo e maravilhoso. Não sentir é a pedida do momento. Eu me envolvo com alguém até onde me é conveniente, mas não preciso sentir nada por ela. Eu trabalho porque estudei anos numa faculdade, tudo com um “para quê”, mas o “porquê” vaga anestesiado. Filmes anestesiam, músicas anestesiam, minha querida publicidade anestesia com promessas de felicidade em dez vezes sem juros. É difícil saber o que se quer da vida em uma geração que só quer tchum e tcha* e nem a anestesia fazendo efeito a gente sente.

E o verdadeiro sentido das coisas fica dormente, dormindo. Apalavra “sentido” já fala por si mesma. Sentido. Já foi sentido antes. O sentido é justamente o porquê. Anestesia, por sua vez, vemdo grego antigo: “ausência de sensação”; perfeito,não? Pensar no motivo de fazer as coisas não dá uma sensação, dá milhares e ao mesmo tempo: é melhor seguir anestesiado. Problema: anestesia passa. E por experiência própria, não é muito agradável. Tudo que foi feito ali deixasuas marcas e quando passa o efeito do anestésico, lá vem a dor tenebrosa. E aí ou se lida com ela ou…se anestesia de novo. Simples assim.

Assim seguimos anestesiando nossas coisas incômodas, aquela senhora incômoda na rua,

aquela criança com fome que incomoda na janela

,aquelas milhares de horas sem fazer nada incômodas, aquele incômodo “tem alguma coisa errada mas eu não posso fazer nada”. Apagamos o“in”, ficamos com o “cômodas” e está tudo certo.

Ultimamente tenho preferido tirar os incômodos debaixo da cômoda pra bater o tapete no sol e pronto. Sem anestesia se acorda para o dia. Quem acorda, não passa nulo por essa vida tão apressada de passar. “Dor dá e passa” já diz a minha vó. A vida passa e passa. Queria olhar pra trás lá na frente, sentindo todas as artrites que a velhice me der com uma sensação boa de que senti demais. Senti tudo. E sei qual é o gosto, a cor, o cheiro, a graça e a desgraça das coisas.

Clarice Freire

*nada contra quem escuta o tchum e o tcha. De verdade. Foi sóum bom exemplo.

Rindo Errado.

– Eu tenho cara de palhaço?!

Disse o palhaço enraivecido e em tom de desabafo, já tirando a tinta da cara. Tinha tido um dia sem graça, com gente sem sal e na verdade ele gostava muito de açúcar. Com açúcar é diferente de sem sal.

– Não.

Respondeu o espelho. Por essa o palhaço não esperava, afinal, aquele nariz não negava.

– Palhaçada! Quem me olha não duvida.

– Grande coisa a sua cara. Hoje ela está péssima. E a minha também por culpa sua. Não tem graça nenhuma.

O espelho costuma ser mais sincero do que gosta o palhaço. Também absolvia muito rápido seu estado de espírito. O palhaço, sabendo que era inútil argumentar, pegou uma tinta vermelha na mesa ao lado e desenhou um sorriso no espelho, exatamente onde estava refletida sua boca murcha.

– Pronto. Você vai ficar sorrindo o tempo todo agora e não depende mais de mim, espelho ranzinza.

– Então você vai pintar as caras na rua?

– Hã?

– Quem passa na sua frente é espelho seu igual a mim, só que alguns também são atores. Eu sou sincero demais pra isso.

O palhaço sem sal ficou desolado. Ele já não suportava um espelho na sua vida com uma sinceridade tão incômoda que o levava a ter vontade de quebrá-lo com energia. Mas não era possível. Não dava para um palhaço viver sem um espelho. Ninguém vive sem uma fonte de auto-amor tão apaixonante como um espelho na sua frente. É assim que as pessoas se apaixonam por si mesmas. Já não bastava esse objeto irritantemente viciante ele ainda tinha que aguentar as pessoas nas ruas agora? Não. Ele não suportaria.

– E como é que você quer que eu faça espelho ingrato? Já não basta meu ridículo na sua frente todo dia? Você tem que rir quando eu rio, chorar quando eu choro. Implantar um sorriso em você é fácil. E no resto do mundo?

– Você está rindo errado, seu palhaço. Carcaça não tem graça.

  Bote sal nesse sorriso agora,

  Pra rir de dentro

  Pra fora.

Clarice Freire.